Relatório da 1º Oficina Regional do Projeto SIPAM

A primeira oficina regional do projeto SIPAM dos Sistemas Tradicionais e Agroecológicos de Ervamate na Floresta com Araucária, Brasil, conduzida pelo Observatório dos Sistemas Tradicionais e Agroecológicos de Erva-mate, ocorreu na comunidade de Arroio Grande em Irati (PR), e foi sediada pela Associação dos Agricultores Agroecológicos São Francisco de Assis – ASSIS. O evento, realizado no dia 14 de abril de 2022, contou com apresentações, diálogos, rodas de conversa e visitas às duas propriedades locais em que ocorre o manejo da erva-mate em ambiente florestal.


A oficina reuniu agricultores associados da ASSIS, cujas propriedades se localizam no município de Irati e região, além de agricultores de Rio Azul, mobilizados por meio de ação conjunta entre o Observatório e a prefeitura municipal. Ao todo, cerca de 35 famílias agricultoras, através de seus representantes, estiveram presentes participando ativamente das discussões propostas pela oficina. Organizada com momentos-chave onde temas específicos foram abordados, a primeira oficina regional do projeto SIPAM teve como objetivo aprofundar as discussões sobre o projeto, além de apresentar alguns dos temas discutidos no âmbito do Observatório, e em especial, a erva-mate tradicional e agroecológica como uma alternativa sustentável de produção e como ferramenta para o fortalecimento de ações de cooperação em nível local, regional e internacional.


O relatório disponibilizado a seguir reúne o itinerário da Oficina, bem como as atividades desenvolvidas e temas levantados durante a visita. O documento trata, ainda, sobre a importância do conhecimento tradicional no manejo da erva-mate para as famílias de erveiros e para a cultura regional. A produção de erva-mate do Centro-Sul e Sudeste do Paraná envolve cerca de 7 mil estabelecimentos rurais da agricultura familiar e de comunidades tradicionais. Cultivados em modo agroecológico junto a remanescentes de Floresta com Araucária, do qual a planta é uma espécie nativa, agregam conhecimentos e saberes tradicionais e ancestrais.


Para ter acesso ao relatório completo, clique aqui.



Fotos: Brenda Rotter/ Equipe CEDErva.